Boa Noite!! - 22 de Outubro de 2014
Seja bem-vindo
 
[ Prefácio ]
[ Tio Marcos ]
[ Poemas ]
[ Contos ]
[ Infantis ]
        [ 7 Histórias de Terror
          para Criança Dormir ]
        [ Histórias do Florisvaldo ]

Sete histórias de terror para criança dormir

Itagyba Kuhlmann

Prefácio para os adultos que as crianças não podem ler
Os dois Monstros
O Fantasma
As Bruxas

Prefácio para crianças que os adultos podem ler

Desde que era pequeno, eu tenho observado uma coisa interessante: os monstros são medrosos!

É verdade! Toda a vez que eu acho que tem um MONSTRO no meu quarto, olho debaixo da cama e a única coisa que eu vejo são os meus chinelos! Abro a porta do guarda-roupa e só encontro roupa; abro a sapateira e só tem sapato; abro a gaveta da camiseira e só tem camisa e cueca e atrás da porta do quarto não tem nenhum FANTASMA visível!!!

Isto, para mim, é a prova de que os MONSTROS e os FANTASMAS são medrosos, se é que eles existem mesmo, de verdade!

Por mais que eu tenha falado isso pros meus sobrinhos, pros meus filhos e pros meus netos, eles continuavam com medo de MONSTROS e de FANTASMAS.

Então eu resolvi inventar sete "histórias verdadeiras" de monstros para contar para eles e ver se assim eles me deixavam dormir também!

Se você não sabe o que quer dizer prefácio, procure o significado num dicionário.

Se você não tem um ou está com preguiça de ir pegar o dicionário, veja no final do livro o Glossário de palavras difíceis que explica também o que significam "Prefácio" e "Glossário".

Voltar

Prefácio para adultos que as crianças não podem ler

Este prefácio foi escrito para que os adultos possam contar as histórias deste livrinho para as suas crianças, deixando elas quase morrendo de medo!

Por isso é que ele não deve ser lido pelas crianças. Se elas, as crianças, conhecerem as técnicas que vou explicar aqui: adeus mistério, não vai ter mais graça!

Por isso se quem está lendo este prefácio é uma criança... Pare de ler este prefácio agora! Onde já se viu? Que coisa mais feia ficar assim fazendo travessura!

As criança de hoje em dia estão muito levadas!

Como agora, depois da bronca, não tem mais nenhuma criança lendo, posso ficar sossegado!

Adultos... vamos ao prefácio: se você tem um sobrinho chato, um filho ou um neto medroso, ou por algum motivo tem que tomar conta de alguma criança que não quer dormir com a lâmpada apagada porque tem medo do escuro e quer que você fique contando história até as altas horas da madrugada para fazer ele dormir, agora você pode ficar descansado: contando uma ou duas histórias, ele vai ficar com tanto medo que vai ficar paralisado na cama e você poderá descansar ou fazer alguma coisa mais agradável. Mas tenha cuidado: nunca conte mais do que duas histórinhas por noite. A criança poderá ficar paralisada, de terror, para sempre.

Ao ler estas terríveis histórias procure acentuar algumas palavras como por exemplo: Monstros, Fantasmas, Múmias, etc.; falando com voz mais grossa e pausada. Com aquela voz que as crianças acham que os monstros tem, assim as histórias terão mais efeito.

Por hoje é só. A partir de agora você poderá ter as suas noites mais sossegadas! Boas noites!

Voltar

Os Dois Monstros

Esta história é muito impressionante porque fala de dois monstros que eu já vi, de verdade, com estes meus olhos que a terra há de comer.

Era uma vez uma rua que tinha uma calçada... (aliás, quase sempre, numa rua, tem uma calçada!)

Naquela calçada tinha uma árvore e, em frente a árvore, uma casa onde morava uma moça.

Um dia, a moça estava calmamente varrendo a calçada e não tinha percebido ainda que atrás da árvore tinha um monstro escondido....

Era um Monstro horrível!

Tinha uma carcaça marrom, antenas na cabeça e andava se arrastando com sua barriga roçando o chão sujo da rua.

A moça, pobrezinha, estava varrendo a calçada distraída e ía levando o lixo até perto da árvore quando avistou aquela figura horrenda...

- Socorro, uma barata...

O monstro, que era uma barata, levou um susto e se escondeu debaixo de uma folha de árvore que estava no chão da calçada.

A moça, pobrezinha, entrou em sua casa correndo desesperada.

Daí, a barata olhou para o alto da rua e... viu um outro monstro.

Era um monstro enorme... (Como você deve estar lembrado, a barata tem só meio centímetro de altura!).

Monstro Enorme tinha mais de um metro de altura... dois buracos no meio da cara por onde respirava... cabelos amarelos em cima da cabeça... e calçava um par de tênis.

O monstro enorme vinha descendo a rua quando viu uma folha no chão da calçada e pisou em cima esmagando a pobre barata atônita!

Daí o monstro enorme... olhou para o campinho que tinha no fim da rua e gritou para as crianças que estavam jogando bola:

- Oi turma, eu também quero jogar.

O monstro enorme, para a barata, era um menino loiro que se chamava Igor!

Moral da história: os monstros são sempre aquelas coisas que assustam a gente, mesmo que sejam pequeninas como uma barata ou enormes como um menino, perto de uma barata!

Voltar

O Fantasma

O fantasma entrou pela janela da cozinha.

Tinha uma mosca pousada no fio da lâmpada da cozinha.

O fantasma chegou pertinho da mosca e gritou:

- BÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚ...

A mosca levou o maior susto e procurou refúgio numa caverna escura.

A caverna se fechou e a mosca ficou toda molhada numa poça de um líquido viscoso e começou a morrer afogada.

A caverna escura era a boca aberta de uma menina assustada que estava ouvindo esta história...

A Raquel, era este o nome da menina boquiaberta, ficou com nojo e cuspiu a mosca que caiu no chão já morrendo afogada.

A mosca morreu e virou um novo fantasma.

Você já reparou que às vezes você esta olhando uma mosca que esta pousada numa parede, ou no fio de alguma lâmpada, e de repente, sem mais nem menos que de repente... a mosca sai voando rápido como se tivesse levado um susto?

É porque um fantasma chegou perto dela e gritou:

- BÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚ...

Os fantasmas adoram gritar - BÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚ... para as moscas distraídas.

A gente não escuta porque a voz dos fantasmas é muito fraquinha... Só as moscas e alguns outros insetos que não tem medo de fantasmas escutam seus BÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚÚs.

E se tem inseto que não tem medo de fantasma... por que é que a gente vai ter???

Eu é que não tenho medo de fantasma... Eu não sou mosca!

Moral da história: Em boca fechada não entram moscas nem fantasmas de moscas!

Voltar

As Bruxas

Outro dia eu resolvi escrever uma história de bruxas que fosse horripilante !

Então saí do meu castelo à meia-noite e fui a uma livraria, que fica aberta 24 horas, e comprei: um livro da "Bronca de Leve e a Bruxa Malvada", um gibi que tinha histórias da "Maga Patológica" e outro com histórias da "Madame Mingau".

Levei o livro e os gibis para o meu castelo e comecei a lê-los com avidez:

O espelho mágico disse à Bruxa Malvada que a Bronca de Leve era mais branca e mais limpa que a Bruxa...

A Bruxa Malvada ficou com muita inveja da Bronca de Leve, encantou uma maçã com um veneno para deixar a Bronca adormecida... enganou a pobre princezinha que morava com sete anões... e, a infeliz, depois de saborear apenas uma mordida na maçã, adormeceu profundamente.

Os anões pensaram que ela estava morta e fizeram um caixão de defunto de vidro... Puseram a Bronca dentro do caixão e o levaram para uma clareira na floresta negra.

Passaram alguns dias... Os anões já estavam esgotados de tanto velarem a pobrezinha. Já pensavam em voltar para casa quando apareceu um príncipe de nome Encantado que achou a Bronca linda. Deu um beijo nela e a princezinha acordou. A Bronca casou com o Encantado e foram felizes para sempre.

No gibi da Maga Patológica ela fez um montão de feitiçarias para roubar a moeda número um do Patinho e todas as vezes se deu mal.

A Madame Mingau fez das tripas coração para tentar conquistar o amor do Assombra mas de nada adiantou porque o bandido continuou solteirão.

Comecei a ficar preocupado com o futuro das bruxas deste mundo.

Com tanta bruxa incompetente, dando mau exemplo às criancinhas, ninguém mais vai ter medo delas!

Moral da história: decepcionado com as bruxas resolvi escrever a história mais assustadora do Mundo! Tam, tam,

Voltar

Itagyba Kuhlmann